Como utilizar a estratégia de marketing sensorial para suplementos alimentares

Marketing Sensorial

Somos movidos por estímulos, e graças aos nossos sentidos conseguimos ver, ouvir, sentir cheiros, experienciar as notas gustativas em nosso paladar e ter sensações com o tato. O nosso sistema sensorial é formado por 5 sentidos principais, e os mesmos possibilitam que o ser humano tenha experiências diversificadas ao usá-los. 

Provavelmente, você já teve alguma lembrança ao sentir um cheiro que aparentemente era conhecido, ouvir uma música e viajar nos pensamentos, experimentar uma comida que lhe levava a momentos nostálgicos da infância ou de um momento importante, assim como ver e encostar em algo pode remeter há uma lembrança. Usamos a todo o momento o nosso sistema sensorial.

E é aí que está a grande sacada do marketing sensorial, não precisamos ser gênios para entender que as pessoas estão saturadas com tanta informação, hoje tudo é muito mais fácil e acessível, entretanto, quando envolve propaganda e publicidade o consumidor já olha com olhos negativos.

Isso acontece porque tem muita informação “inútil”, e as empresas utilizam de estratégias invasivas para vender e por conta disso está ficando cada vez mais difícil atrair o consumidor. Tendo em vista esse fator, para nós a primeira regra é: as pessoas não querem mais comprar algo e ter apenas aquele produto ou serviço em troca, elas querem ter uma experiência por trás, ganhar algo a mais, que venha agregar na sua vida.

E para isso acontecer, as marcas precisam sair das suas caixinhas de que tudo se baseia na “venda e troca” e pensar no consumidor, entender o que o seu público deseja. Por isso, é essencial ter um planejamento de marketing e neste caso, iremos explorar o marketing sensorial para o segmento de suplementos alimentares.

Ants de iniciar nas estratégias em específico, é necessário explanar o que é de fato o marketing sensorial, para posteriormente verificar sua aplicação. 

 

Marketing Sensorial é a utilização de componentes sensoriais para potencializar a mensagem de uma empresa, torná-la relevante, e assim, transmitir uma experiência diferenciada para os seus consumidores.

O conceito mais usual de Marketing Sensorial foi escrito por Martin Lindstrom em seu livro Brand Sense que descreve que devemos quebrar uma marca e verificar quais dos componentes sensoriais podem ser usados para transmitir um diferencial competitivo para uma empresa, sempre com foco em seus consumidores. É a ideia de questionar as abordagens tradicionais, que normalmente são bidimensionais, ou seja, usam apenas de dois sentidos em suas estratégias de Marketing, o componente visual e auditivo, como notamos nas propagandas. 

Em virtude deste processo, uma das formas de auxiliar estes consumidores no ambiente de compra, e para isso, temos as descobertas do Neuromarketing que pode nos ajudar a criar melhores experiências e consequentemente, ser visto como uma marca que gera valor ao cliente, ou como costumamos chamar “marcas fortes”, que são as primeiras a vir na cabeça do consumidor na hora de comprar um produto ou serviço. 

É fato que todos queremos ser uma marca forte, e estar como número um na lista de escolha do consumidor. Para lhe ajudar, pensamos em algumas estratégias de marketing sensorial para suplementos alimentares. Utilizamos os 5 sentidos para se diferenciar perante o mercado. 

 

O primeiro deles é o componente visual: as empresas podem utilizar de imagens para tornar sua oferta tangível em termos de percepção, como por exemplo, uma embalagem atrativa, a qual invista em cores, texturas, tipografia, formatos, entre outros elementos, que chamem atenção na gôndola pelos seus componentes visuais.

 

Componente auditivo: aqui entra uma das etapas de branding, que é o Sound Branding, pensar em uma trilha sonora que faça sentido para o consumidor (compartilhar no Spotify), também podendo usar podcast com informações. Se tiver uma loja física pode ser utilizado uma trilha sonora que tenha a ver com o DNA da sua marca para promover as boas sensações ao cliente dentro da loja.

 

Componente tátil: estudos em Neuromarketing evidenciam que quando tocamos um produto temos o sentimento de posse (previsibilidade dos fenômenos). Aqui entram embalagens com texturas, caixas que usem relevos, sejam sustentáveis, promovam boas experiências apenas ao tocar o produto.

 

Componente gustativo: como o uso do paladar para identificar se um alimento é prazeroso ou se pode significar uma ameaça, pode ser potencializado por meio de amostras grátis para que os clientes possam saborear o produto antes de sua utilização. Além de investir no sensorial (sabor) do solúvel, chá, entre outros produtos naturais.

 

Componente olfativo: identificar pelo cheiro do produto e, literalmente, ligar a nossa atenção para a oferta de um produto, cheirinho de chá, solúvel que seja atrativo ao nosso olfato. Remeter a lembranças nostálgicas, como o cheirinho do chá que a nossa avó fazia. 

 

Estes são alguns exemplos usuais para criar produtos com marketing sensorial, além destes a sua marca tem inúmeras estratégias tanto online quanto fisicamente para promover boas sensações. O importante é entender quem é o seu público, qual dos componentes sensoriais você pode usar para conquistar ainda mais e fidelizar o seu cliente.

 

Use e abuse dessas dicas e lembre que o cliente quer muito mais do que um produto, ele quer viver uma experiência!

Compartilhar
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

VEJA TAMBÉM