Melatonina e seus benefícios

Liberada recentemente pela Anvisa para ser utilizada em suplementos alimentares, a Melatonina é uma das grandes novidades do mercado. Ela é um hormônio produzido naturalmente pelo nosso corpo e é responsável por regular o ciclo circadiano, ou seja, o mecanismo pelo qual nosso organismo se regula entre o dia e a noite. 

Sua liberação era muito aguardada pela indústria de alimentos, uma vez que, anteriormente, ela só podia ser utilizada em remédios manipulados. Agora, a Melatonina também pode ser utilizada em suplementos alimentares e comercializada, inclusive, em lojas de produtos naturais, por exemplo. 

Ao longo do texto vou lhe explicar tudo o que você precisa saber sobre esse componente para você se convencer de inserir a Melatonina na sua linha de produtos e lucrar mais! 

Mas afinal, o que é a Melatonina?

Ela é conhecida como o hormônio do sono, pois é responsável por nos induzir ao sono. Ela é produzida pela glândula pineal que é ativada quando não há estímulos luminosos. Diante disso, a melatonina só é produzida à noite e, consequentemente, induz ao sono. Com o processo natural de envelhecimento nosso corpo começa a produzir menos esse hormônio, por isso os distúrbios do sono são mais comuns em adultos e idosos. 

Por conta dessa diminuição da produção da melatonina é recomendável iniciar uma suplementação com essa substância para garantir todos os seus benefícios para o organismo. 

Benefícios

Dentre os benefícios proporcionados por essa substância, o mais conhecido deles é a melhora na qualidade do sono, aumentando seu tempo total e diminuindo o tempo necessário para adormecer. Além disso, auxilia também no tratamento da insônia.

Outro benefício da melatonina é que ela possui ação antioxidante, contribuindo para o fortalecimento do sistema imune, o que ajuda a prevenir doenças e controlar patologias psicológicas e relacionadas ao sistema nervoso. 

Diante disso, a melatonina pode ser indicada para auxiliar no tratamento de patologias como: glaucoma, retinopatia, degeneração macular, enxaqueca, fibromialgia, Alzheimer ou isquemia, por exemplo.

Além disso, alguns estudos utilizando células do câncer de mama, próstata, endométrio e ovário mostram que a melatonina pode ajudar a melhorar o efeito do tratamento do câncer ou diminuir os efeitos colaterais da quimioterapia ou radioterapia. No entanto, ainda são necessários mais estudos em humanos que comprovem esse benefício.

A melatonina pode auxiliar também a melhorar a depressão sazonal, um transtorno que acontece durante o inverno e provoca sintomas como tristeza, sono em excesso, aumento do apetite e dificuldade de concentração. Em alguns casos, pode auxiliar também no tratamento contra a enxaqueca.

Isso acontece com mais frequência em pessoas que vivem em regiões onde o inverno dura muito tempo e está associado à diminuição de substâncias do corpo ligadas ao humor e ao sono, como a serotonina e a melatonina. A suplementação auxilia a aumentar esse hormônio no organismo, diminuindo os sintomas desse transtorno afetivo.

Outro ponto do organismo em que a Melatonina atua é na redução da acidez do estômago, pois ajuda a reduzir o ácido e também o óxido nítrico, que é uma substância que induz o relaxamento do esfíncter do esôfago, reduzindo o refluxo gastroesofágico. Assim, a substância pode ser usada como auxiliar no tratamento dessa condição ou isolado, em casos mais leves.

Cuidados ao ingerir melatonina

Mesmo sendo um suplemento relativamente seguro e bem tolerado quando usado em baixas doses e a curto prazo, a melatonina pode causar alguns efeitos colaterais, mas são raros os episódios disso. 

Entretanto, por mais que sejam raros, os efeitos mais comuns estão relacionados a fadiga ou sonolência excessiva ao longo do dia, falta de concentração, piora da depressão, dor de cabeça, enxaqueca, dor abdominal, náuseas e diarréia e até mesmo perda do apetite. 

Além disso, ela pode causar também irritabilidade, nervosismo e ansiedade, tontura, fraqueza e confusão mental, aumento na pressão arterial, sintomas de menopausa, dermatite, dor no peito, nas costas ou articulações, entre outros muito raros. 

A intensidade dos efeitos colaterais dependerá da quantidade de melatonina ingerida. Quanto mais alta for a dose, maior será o risco de surgirem alguns destes efeitos colaterais. Por isso, é de extrema importância se informar com um profissional da saúde antes de utilizar o suplemento. E, ainda, não ingerir uma dose maior do que a indicada na embalagem dos suplementos. 

Por que suplementar Melatonina?

A suplementação de melatonina pode ser importante para quem já não consegue ter uma boa noite de sono. E, além de proporcionar a melhora do sono, ela possui inúmeros outros benefícios. Tem ação antioxidante, reduz a acidez do estômago e ajuda a melhorar a depressão sazonal. 

Como suplemento alimentar ela pode ser comercializada em cápsulas, com uma concentração de até 0,21mg. São indicados para pessoas a partir dos 19 anos e devem ser consumidos cerca de 30 minutos antes de dormir, ou conforme orientação de profissionais da saúde. 

Suplementos alimentares constituídos por melatonina não são recomendados para mulheres grávidas, lactentes, crianças e para pessoas que realizam atividades que necessitam de atenção. Por isso, ao ingerir a melatonina evite atividades como dirigir, utilizar máquinas pesadas ou realizar atividades perigosas.

E aí, que tal investir em um suplemento à base de Melatonina para agregar à sua linha e aumentar seu faturamento? Entre em contato com uma de nossas consultoras de sucesso e tire as dúvidas para iniciar seu projeto!

 

Compartilhar
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

VEJA TAMBÉM